domingo, 28 de julho de 2013

Grandes Obras de Engenharia: O Cristo Redentor

          Não é à toa que o Cristo Redentor é considerado uma das 7 Maravilhas do Mundo. Construído sobre o Morro do Corcovado, o monumento de 38 metros de altura e 1.145 toneladas atrai todos os anos grande quantidade de turistas em busca de conhecer pessoalmente sua beleza e imponência.
            A obra durou 5 anos e foi fruto de uma junção bem sucedida entre a arte da escultura e técnicas de Engenharia capazes de viabilizar o projeto de um ponto de vista estrutural. Cada detalhe foi importante na criação do monumento e soluções em vários níveis foram necessárias para possibilitar a sua construção.

A construção do Cristo Redentor


            O Cristo Redentor, na condição de obra de arte, foi trabalhado em três níveis distintos, de dentro para fora. O primeiro passo foi obter a escultura. O material utilizado foi o gesso, a partir do qual a cabeça e as mãos foram esculpidas à mão, com todo o cuidado para que não ocorressem distorções em relação ao projeto. O resultado obtido foi o molde para as etapas seguintes.
            O segundo passo, foi obter a solução estrutural, responsável por reforçar o monumento, mantendo-o de pé. Aqui a Engenharia Civil, deu uma grande contribuição a partir da utilização de peças em concreto armado montadas uma a uma sobre a estátua de gesso. Apesar de demorada e trabalhosa, a solução encontrada mostrou-se eficiente e cumpriu com perfeição seu papel.
            Por fim, era preciso revesti-lo com um material capaz de resistir às intempéries proporcionadas pelo ambiente em que o Cristo se encontrava. O material escolhido, talvez curiosamente, foi a steatita ou pedra-sabão. Apesar de não apresentar resistência mecânica muito elevada, se desgasta muito pouco diante do sol, dos ventos, chuvas e da maresia da região onde se encontra o Cristo, justificando a escolha. Sua aplicação foi feita a partir da utilização de pequenos triângulos colados sobre tiras de pano, com o qual se revestiu o monumento.
            É interessante notar que além desses aspectos foi importante a aplicação da Engenharia de Acessibilidade, que, a partir da utilização de cimbramento, possibilitou a movimentação dos trabalhadores em toda a extensão do Cristo Redentor ao longo da construção.

Reforma e Manutenção

            Finalizado o monumento, diversas intervenções foram feitas, visando manter sua beleza e garantir sua estabilidade com o passar dos anos. Além de reformas de cunho estrutural, métodos de Engenharia foram aplicados no sistema de iluminação, para-raios e limpeza da estátua.
            Aconteceram processos de restauração mais de uma vez desde a construção do Cristo, sempre visando garantir a durabilidade dessa que é uma das mais perfeitas obras de Engenharia feitas pelo homem.

Arte e Engenharia trabalhando lado a lado


            Conceitos tanto de arte quanto de Engenharia foram aplicados em conjunto para que o monumento ao Cristo Redentor fosse trazido à existência. Ele é a maior obra de art déco, que associa elementos artesanais à peças industrializadas, no mundo.
            A imponência e a perfeição com que foi concebido impressionam e mostram o poder que o trabalho em conjunto tem, se bem articulado, para transformar até mesmo os mais complexos projetos em resultados satisfatórios. O mundo foi brindado com uma das obras mais belas já concebidas, que paira sobre o Rio de Janeiro a mais de 700 metros de altura, sempre de braços abertos.

2 comentários:

  1. Admiro sua profissão...Parabéns e continue sendo fundamental nas obras....

    Abraço,
    Ellen.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ellen,

      Muito obrigado pelo reconhecimento e eu espero sim, ser capaz de fazer um bom trabalho.

      Abraços!
      Bruno.

      Excluir