terça-feira, 20 de agosto de 2013

A Engenharia e os atributos gerenciais e interpessoais

             Após alguns anos de faculdade dedicados ao cálculo, às físicas e a uma série de outras matérias da área de exatas, é comum estudantes de Engenharia não adquirirem conhecimento amplo de outros requisitos necessários fora da esfera acadêmica. A maior parte do aprendizado é dedicada às questões técnicas, sendo que os aspectos interpessoais e gerenciais são negligenciados.
            Aparentemente, esse formato de curso seria o suficiente para que um Engenheiro desempenhasse bem o seu papel profissional, porém, não é isso que se observa na prática. Muitas outras questões estão envolvidas no desenvolvimento de atividades de Engenharia e quem quer ser bem sucedido nessa área precisa estar pronto para se adaptar.

O papel do Engenheiro: lidando com pessoas


            A Engenharia é uma profissão na qual, com grande frequência e velocidade, ocorre a transição entre contextos completamente distintos. É preciso lidar com clientes, supervisores, diretores, fornecedores, mão de obra operacional e com quaisquer outros recursos humanos que possam de alguma forma afetar ou ter interesses no trabalho desenvolvido.
            Isso não é exclusivo para profissionais que trabalham em canteiros de obras ou em chão de fábrica. Em qualquer setor ocorre contato direto com pessoas de posições hierárquicas, conhecimentos, valores e poder aquisitivo, distintos.
Esse cenário torna essencial ao Engenheiro a capacidade de lidar com indivíduos de perfis muito diferentes dentro da organização ou em seu trabalho como autônomo. Ele precisa de flexibilidade para gerenciar as relações que compõem o ciclo produtivo e isso não envolve apenas demonstrar competência em suas funções. É necessário conhecer as expectativas de todos para que seu trabalho, além de eficiente, compatibilize recursos, exigências e necessidades.

A influência das relações interpessoais em diversas áreas

            Muitos estudantes ingressam na Engenharia pela facilidade nas matérias da área de exatas. A profissão, porém, exige muitos mais do que isso.
Para gerenciar uma equipe, por exemplo, serão necessárias estratégias consistentes para captar bons profissionais, qualifica-los corretamente e mantê-los motivados e focados em suas funções.
            Ao desenvolver projetos, deve-se trabalhar de forma compatível com os outros projetistas e de acordo com a cultura e com os recursos da região.
Atuar na área comercial envolve apresentar uma imagem que ao mesmo tempo utilize conceitos técnicos e características que chamem a atenção do cliente, além apresentar um alto poder de negociação.
            Trabalhar com suprimentos e com orçamentos exige grande quantidade de contatos e boa relação com fornecedores.
Por fim, em planejamento são necessários conhecimentos dos recursos humanos envolvidos em cada atividade realizada, o que permite consistência nas previsões de prazos. Além disso, é necessário saber a forma certa para abordar cada setor no que diz respeito a monitoramento e controle.
Esses são alguns exemplos recorrentes de como o fator humano jamais deve ser desconsiderado na realização de quaisquer atividades de Engenharia.

Encontrando o equilíbrio: Técnica, Gestão e Relacionamento


Lidar com pessoas é algo constante em qualquer profissão. O que torna isso um aspecto merecedor de tanta atenção na Engenharia é a necessidade de saber a forma certa de se comportar com os múltiplos perfis dos indivíduos com os quais se lida todos os dias.
Tudo isso demonstra que o profissional deve estar atento tanto às pessoas que influenciam em seu trabalho quanto àquelas que são impactadas por ele. Ser Engenheiro envolve, portanto, multidisciplinaridade e a busca constante do equilíbrio entre conhecimento técnico, conhecimento gerencial e capacidade interpessoal, fatores indispensáveis na busca de quaisquer objetivos. 

Fontes das imagens:



Nenhum comentário:

Postar um comentário